Já percebeu que a depender de como está sua vida financeira seu humor pode mudar?

Uma crise financeira nem sempre é prevista, por isso, é bom que estejamos sempre preparados para algumas eventualidades.

O ideal seria montar uma reserva de emergência e ter um estilo de vida onde se gasta menos do que se ganha, sem esquecer de investir, de preferência mensalmente, para estar preparado para estes imprevistos. Mas aqui há um fator bastante importante a se pensar: “preciso ganhar mais para não passar por uma crise financeira?” ou “eu acho que deveria ganhar mais”.

Neste ponto, superado o fator macro da “crise financeira” pensando em uma situação de má administração do dinheiro ou por ter sido afetado pela inflação, que costuma atrapalhar muito no país e afeta nosso bolso, exigindo mudanças de vida para uma consideração mais micro com considerações pessoais.

Assim, achar que deve ganhar mais se dá por um fator qualitativo (subjetivo, o que você e seus superiores acham que você deva ganhar?) e quantitativo (quando conseguimos quantificar com números ou materiais tudo o que produzimos em nosso trabalho). De fato, você pode ganhar mais pela qualidade e quantidade do que produz, mas saberia administrar isso ou seria mais uma coisa que afetaria seu comportamento dentro da empresa?

Até aqui abri duas frentes de discussão, a educação financeira frente a uma crise e a satisfação pessoal frente ao salário.

Veja, tanto a perda como o ganho financeiro mobilizam muitos comportamentos no dia a dia. Quanto a achar que tem de ganhar mais para não viver uma crise financeira é acreditar em uma grande mentira.