Como criar um planejamento financeiro pessoal eficiente

Organizar as contas, juntar dinheiro, planejar uma viagem, casar… Grande parte dos planos e objetivos que a gente traça começam com um planejamento financeiro pessoal. 

Pagar todos os boletos e ainda ter dinheiro para reserva de emergência e investimentos é uma realidade ainda distante para a maioria das pessoas – no entanto, se planejar não significa conseguir necessariamente seguir todos esses passos. Pelo contrário. 

O planejamento financeiro pessoal é uma ferramenta para começar a ter mais controle sobre o seu orçamento – não importa o quão apertado ele seja no momento. Veja, abaixo, como organizar a sua renda pode fazer a diferença e ser o primeiro passo para conseguir objetivos maiores. 

O que é planejamento financeiro pessoal? 

O planejamento financeiro pessoal é um guia para organizar corretamente o seu dinheiro, ou seja, controlar os seus ganhos e gastos. 

Na prática, esse plano funciona como um controle do que entra e sai nas suas finanças  e ajuda a tomar decisões melhores. Por exemplo, decidir se uma compra é realmente necessária. 

Qual a importância de realizar um planejamento?

Ter controle do seu dinheiro, conseguir lidar com imprevistos e poder guardar para realizar seus objetivos. Essas são as grandes vantagens de fazer um planejamento. 

Se você resolver que chegou a hora de morar sozinho, por exemplo, é fundamental garantir que conseguirá arcar com as contas de um apartamento, entre outros gastos. E todos os esses detalhes serão analisados por meio do seu planejamento financeiro pessoal. 

Como criar seu planejamento financeiro pessoal?

1- Organize suas contas mensais e coloque suas despesas em uma planilha

Quem quer traçar o plano ideal deve começar organizando tudo aquilo que vai fazer parte dele.  

  • Comece anotando todos os ganhos fixos ao longo de um determinado período. O ideal seria registrar as previsões de um ano, dividido mês a mês. Coloque na planilha o seu salário líquido e quaisquer outros rendimentos já previstos.
  • Em seguida, planeje os gastos fixos ao longo desse mesmo período, como planos de celular e/ou Internet que não variam sem avisos prévios, aluguel, prestação do carro ou da casa.
  • Inclua um valor referente às contas de energia elétrica, gás e até as suas plataformas de streaming.

Com esses dados registrados, você verá mais claramente a sua situação financeira atual e a partir dela o que é possível fazer para o dinheiro render mais no futuro.

2- Ajuste sua rotina de acordo com essas informações;

Após realizar a etapa anterior, será necessário adequar os gastos à sua rotina.

  • Uma boa dica para controlar essa etapa do planejamento financeiro pessoal é lançar na sua planilha todo tipo de gasto, como as suas compras no supermercado e o valor da fatura do cartão de crédito.

Outra dica é definir limites para cada tipo de gasto e saída financeira do orçamento. 

  • Separar as despesas por categorias é uma boa forma de enxergar o que mais consome seu dinheiro, entendendo o que pode ser cortado na hora de  economizar.

Além disso, separe uma porcentagem do seu salário e demais rendimentos para o lazer, e se possível não deixe de definir uma quantia fixa (e de preferência crescente) para guardar no fim do mês e investir.

3- Procure aprender mais sobre educação financeira

Uma pesquisa feita em 2019 pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), SPC Brasil e o Banco Central revela que 36,0% dos brasileiros não realizam o controle do orçamento.

Além disso, 44% dos entrevistados estão ou estiveram com o nome sujo nos últimos 12 meses. 

As dificuldades macroeconômicas contribuem para esse tipo de índices negativos, mas outro ponto importante deve ser ressaltado nessa situação: a educação financeira.

Pesquisar sobre finanças, se atualizar sobre as melhores práticas para organizar o orçamento e poupar dinheiro faz a diferença. 

Educação financeira nada mais é do que entender de onde vem o seu dinheiro, como ele é gasto e, principalmente, como ele pode ser melhor empregado, rendendo mais e te garantindo um futuro mais tranquilo.

Não sabe por onde começar? Então assine aqui nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos sobre educação financeira na sua caixa de entrada.

4- Cuide do seu dinheiro;

Além de guardar uma quantia periodicamente, é importante evitar que o valor seja comido por taxas ou tarifas abusivas, ou que perca valor por causa da inflação. 

Por isso, uma das recomendações é checar as cobranças do seu banco para movimentações e transferências e também conferir qual é o rendimento da sua conta.

As contas correntes tradicionais, por exemplo, não oferecem nenhum tipo de rendimento. As poupanças possuem aniversário de depósito – é preciso esperar 30 dias para resgatar o que rendeu. 

E investimentos?

Investir é uma forma de fazer o seu dinheiro render. Existem investimentos para quem está começando a organizar suas finanças e opções mais arriscadas, para quem já tem uma reserva de emergência feita. 

Encontrar o investimento ideal e mais seguro requer conhecimento financeiro e um bom plano. 

De forma resumida, o planejamento financeiro pessoal é basicamente um registro da sua vida financeira e de como seus objetivos podem ser atingidos a partir desses números.